CREATIVE ROCK 1 – BITONALIDADE

Neste estudo o nosso consultor criativo Shaun Baxter (GT Magazine April 2009) mostra uma forma de produzir pegando de ouvido efeitos dissonantes, tocando duas tonalidades ao mesmo tempo … Sobrepor “ALGO” de uma chave em cima do outra permite que você use cada idéia musical em qualquer uma das 12 chaves diferentes. Ele também irá permitir que você introduza pegando no ouvido tonalidades dissonantes em seu toque de uma forma que soe confiante e convincente.

<><><>

Bitonalidade descreve a co-existência de duas tonalidades diferentes. Mas não há necessidade de ver este conceito musical com desconfiança ou medo, porque você já usa o tempo todo. Por exemplo, quando você usa um A escala pentatônica menor sobre uma progressão de blues contendo os acordes A7 D7 e E7, você está usando bitonalidade sobre cada acorde como, estritamente falando, a escala pentatônica menor A não vai com qualquer deles. Neste terreno o ‘errado’ resultante cria uma tensão que muitas vezes soa melhor ao ouvido do que o tecnicamente mais correto A Mixolídio D Mixolídio, e E Mixolídio – que pode soar muito bonito.

Bitonalidade é principalmente usada para criar dissonância. Se você olhar para Diagrama 1, você verá todos as 12 tonalidades menores amarradas em uma ordem particular. A partir de F#m, movem-se em quartas perfeitas. Se você tentar tocarr diferentes tonalidades menores, nesta ordem sobre um acorde F#m, você vai ouvir o efeito musical cada vez mais dissonantes. Em última análise, isso levará a um elemento de controle. Se você quer soar um pouco dissonante, você deveria implicar Mi menor sobre um acorde F#m, que, se você quiser um efeito muito mais dissonante, tente implicando G menor, em vez.

O interessante é que, se você fosse tocar o modo Dorian de cada raiz você iria começar tocando cada vez mais F# escalas dissonantes , mas depois você terminaria acima com escalas que não têm sequer um F# nota:

  • F#Dorian = F# Dorian
  • B Dorian = F# Aeolian
  • E Dorian = F# Frygian
  • A Dorian = F# Locrian
  • D Dorian = não tem nota F# etc
    <><><>
    <><><>

    Você ainda pode estar se perguntando como isso tudo funciona. Mas, como acontece com muitos dos conceitos que soam dissonantes que estudamos, é outro exemplo de “caos organizado”. Ao tocar algo que você sabe, mesmo que seja a partir da chave errada, você vai tocar com confiança e direção, e isso vai soar e tornar as coisas muito mais convincentes e, portanto, aceitável para o ouvinte.

    Há dois fatores que também ajudam ao tentar sobrepor escalas como essa. Primeiro, ela ajuda se você tocar bastante rápido, porque, então, a dissonância não é arrastada para fora do tema por muito tempo. Além disso, quando você tentar linhas menores em várias chaves sobre a faixa de apoio em F#m (backingtrack), certifique-se de você resolver voltar a algo que faz sentido em F#m ou você vai deixar o ouvinte encalhado na tonalidade errada.

    É importante desempenhar as linhas de todos os diferentes pontos de partida ao longo da seqüência mostrada no Diagrama 1 e observe o som ficando mais e mais dissonante. Então você precisa escolher seus favoritos, pois é importante para ficar realmente bom em trabalhar com um pequeno número de escolhas ao invés de deslizando superficialmente sobre o conjunto todo.

    O favorito de Mike Stern é tocar menor até uma terceira menor (neste caso, Am sobre F#m), enquanto Larry Carlton utiliza um menor abaixo um semitom (E#m sobre F#m) e Greg Howe muda tudo em um semitom (Gm sobre F#m). Estes tocadores são bons em usar essas coisas porque eles optaram por trabalhar dentro de uma gama limitada de escolhas. Eu gosto de Em, Am e Dm, como os dois primeiros não são nem demasiado perto nem demasiado longe de F#m.

    Como para Dm, Dm melódica tem as mesmas notas de C# Superlocrian, por isso é bom para o que implica um V7 alterado (C#7 alt) sobre o F#m – uma forma clássica de tensão.

    Por último, lembre-se, é apenas uma questão de gosto: assim, se ele soa bem para você, use-o!

    Este estudo irá melhorar a sua:

    • Sobreposição de licks
    • Criação de efeitos dissonantes
    • Habilidade para sons diferentes
    • Teoria musical geral

<><><><><><>

  • ORIGINAL LINES 1 A 6

Estas linhas F# menores são todas muito jazzy: Cada uma compreende um fluxo constante de semicolcheias e várias notas de passagem cromáticas pegadas de ouvido. Se você considerar as notas de F# Dorian como sendo o mais “apropriado” ao longo de um acorde F#m7; qualquer outra nota pode ser considerada cromática.

<><><>

                                    

<><><>

  • Line 1

Na Line 1 usar o sistema CAGED, então acho que de cada acorde, arpejo ou escala com cinco formas básicas. Por conseguinte, considero que este lick é uma forma 2 (shape 2 lick) porque ela cai sobre a segunda forma da escala pentatônica menor F# e F# Dorian. Como mencionado, há notas cromáticas em cada uma dessas linhas. Neste, que é uma nota C# que aparece em duas oitavas diferentes, ambas as vezes como uma nota de passagem entre D e C.

  • Line 2

Muitos músicos de jazz usam uma combinação de menor melódica e Dorian sobre acordes menores.

Esta linha começa com uma nota E# de F#m melódica, mas depois o E (b7 de F#Dorian) é restabelecida na segunda metade da linha. A propósito, nos termos CAGED System, este é um shape 4 lick, porque ele se encaixa sobre a forma 4 de F# pentatônica menor e F# Dorian.

  • Line 3

Agora, para um shape #3 line. Note-se a utilização de fragmentos de arpejo neste e muitas das outras linhas. Esta linha contém arpejos C#m, F#m D#m7b5. Você consegue identificá-los? Aqui, a nota de passagem cromática é D natural que conduz à D# no meio do (batimento) beat 3.

  • Line 4

Esta é uma linha que se encaixa sobre o shape 1 de F#m. Novamente, a linha é baseada no arpejo. Note-se que a nota cromática (neste caso, A#) está contida dentro de um motivo cinco-notas.

  • Line 5

Este shape 2 line começa com uma pegada de quatro-notas usando F#m melódica, no entanto, existe também uma nota natural G cromática no início do compásso seguinte, que é utilizado como um meio de se aproximar da nota F# (o terceira nota na batida 1).

  • Line 6

Finalmente, esta linha (influenciado pelo saxofonista Michael Brecker) baseia-se shape 1 de F#m. Como linha #1, que contém uma nota C# que passa entre D e C. Além disso, observe como F#m melódica é usada no beat 3, mas esta é seguida por F# Dorian na batida 4.

O Solo-Study deste Creative Rock Lines, “desajuste”, é baseado em torno F#m e lhe dará a oportunidade de ouvir e praticar tocar as mesma linhas F#m (na mesma ordem), em chaves diferentes sobre o mesmo da faixa de apoio (backingtrack) F#m . A transcrição é bastante auto-explicativa: As várias linhas são indicadas (o número da linha e a nova chave em que é tocada), tudo o resto é muito bonito no F# Dorian. No entanto, há um par de pontos de interesse que, provavelmente, exigem um pouco mais de explicação. Em primeiro lugar, as três últimas notas no compasso 7 são usados ​​como parte de um motivo-cinco-notas que leva ao F natural no início do compasso 8. Em segundo lugar, há uma cromática correndo até ao final do compasso 14, levando a partir de uma nota C# (o quinto grau de F#m) por todo o percurso até a uma nota F# (a nota raiz).

                       

Article source Guitar Techniques Magazine April 2009

Comentários
  1. Dan diz:

    Mandando muito bem e como sempre ajudando a galera à se desenvolver musicalmente ! Parabéns pela bela iniciativa e paciência em fornecer neste blog vários exercícios realmente produtivos ! Valeu.

Escreva sua reposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s