Posts Tagged ‘tutoriais’

CREATIVE ROCK 1 – BITONALIDADE

Neste estudo o nosso consultor criativo Shaun Baxter (GT Magazine April 2009) mostra uma forma de produzir pegando de ouvido efeitos dissonantes, tocando duas tonalidades ao mesmo tempo … Sobrepor “ALGO” de uma chave em cima do outra permite que você use cada idéia musical em qualquer uma das 12 chaves diferentes. Ele também irá permitir que você introduza pegando no ouvido tonalidades dissonantes em seu toque de uma forma que soe confiante e convincente.

(mais…)

MODULAÇÕES SOBRE MODOS NO CAGED SYSTEM

Este estudo dispõe de um conceito harmônico conhecido como “modulação modal”, que é também por vezes referido (por tocadores como Joe Satriani) como “‘pitch axis” (eixo (tom) de inclinação). Basicamente, é a prática de tocar sobre as mudanças principais (modulação), utilizando vários “modos” sobre a nota na mesma raiz. Isso só pode ser feito em determinadas progressões , mas é uma prática que é muito mais comum do que você pensa.
“Modulação modal” tem várias vantagens. Em primeiro lugar, onde é possível, torna-se fácil de tocar através de mudanças fundamentais, porque todas as escalas têm a mesma nota raiz. Em segundo lugar, podemos usar o princípio como uma forma eficaz de praticar todas as modalidades dentro de uma progressão de acordes.

(mais…)

ACORDES ALTERADOS

Na quinta parte de sua série de acordes vamos explorar 7ª dominantes alteradas e como aplicá-los usando CAGED … Neste módulo, nós vamos olhar para a teoria por trás das alterações em 7ª dominantes (adicionando b5, #5 a b9 ou 9#), como recordá-los e algumas formas legais para usá-los.

(mais…)

CAGED System – Acordes extendidos 9, 11ª e 13ª

Neste módulo, vamos olhar para extensões dos acordes, de onde eles vêm, como eles funcionam e como reproduzi-los …

(mais…)

CAGED SYSTEM – Basic shapes

Bem-vindo à nossa série sobre CAGED System. Dando continuidade a esse assunto, vamos começar olhando para o sistema CAGED e como aplicá-lo no dia a dia.. O sistema CAGED não foi “inventado”. É um fato. É como a guitarra funciona e vem diretamente da afinação do instrumento combinado com harmonia ocidental. Eu venho querendo acrescentar esta lição já há algum tempo, pois nós todos queremos ser capazes de tocar muitos e diferentes acordes, escalas e arpeggios em posições por todo o braço do instrumento.

(mais…)

Sem a palhetada alternada um bom solo é praticamente impossível.

O principal problema que os iniciantes têm quando aprendem “Alternate Picking” ou palhetada alternada, é o seu próprio instinto que tende a palhetar para baixo todos os tempos e notas. Isso acontece por causa de maus hábitos que todos nós costumávamos ter. Eles vêm da falta de experiência e na maioria dos casos isso acontece quando o guitarrista era autodidata e não havia ninguém lá para salientar esse aspecto para ele.  fonte:  guitarlearningtips.org/

Para executar esta técnica, basta simplesmente tocar em alguma corda da guitarra usando os dois sentidos do movimento da palheta (para cima e para baixo). Isto cria um efeito interessante, e, se tocado muito rápido, acentua a sensação de agressividade do solo.

Abaixo alguns exercícios essenciais para aperfeiçoar a palhetada alternada e se acostumar com a técnica. Veja também:

  • Finger and Picking by Marcos Ielmini matéria publicada aqui em Agosto de 2008 que contem uma  boa sequência de exercícios em Alternate Picking focando também o desenvolvimento da mão esquerda.

(mais…)


Um guia essencial com  ideias básicas de licks para  abertura (intro) e fechamento (ending) de blues. Com notação/tab/BT e áudio para escutar como deve soar. Esta seria a sua primeira e última chance para agarrar atenção com o público, portanto capriche na configuração, porém não esqueça de que o blues acima de tudo, tem que ser tocado com  o coração. Divirta-se!

fonte: (GT Magazine 174 feb/2010 – Richard Barret)      easy/begginer/intermediary

(mais…)

RAPAZIADA DO (OLD) ROCK AND ROLL

Led Zeppelin foi uma banda inglesa célebre pela sua inovação e influência no heavy blues-rock, além de ter sido uma das mais populares na década de 70. Era formada por Jimmy Page, John Bonham, John Paul Jones e Robert Plant. A morte de John Bonham, em 1980, foi a causa do fim da banda. O Led Zeppelin voltou a se reunir em três ocasiões, em 1985 para o show beneficente Live Aid, com (Phil Collins) Tony Thompson na bateria, no aniversário de 40 anos da gravadora Atlantic em 1988, com Jason Bonham na bateria e mais recentemente em 10 de dezembro de 2007 em uma homenagem a Ahmet Ertegun… (Wikipedia)

Led Zeppelin IV Album

Stairway to Heaven apareceu pela primeira vez em: Led Zeppelin’s 1971 quarto álbum sem título, quase sempre referido como Led Zeppelin IV.

Jimmy Page no solo clássico de “Stairway to Heaven” utilizou uma Fender 1958Telecaster conectada a um amplificador. As outras guitarras utilizadas em “Stairway to Heaven” foram uma Fender Electric XII (12-cordas). Para a performance ao vivo de “Stairway to Heaven”, Page usou uma Gibson EDS-1275, dois braços 6 / 12 1968.

Page gravou três diferentes solos para “Stairway to Heaven”, até finalmente escolher a versão atual, como ele sentiu que melhor se adequaria ao tema.

Led Zeppelin começou a trabalhar em “Stairway to Heaven”, durante as sessões de gravação do Led Zeppelin III, mas finalmente a canção foi gravada em dezembro de 1970, para inclusão no álbum Led Zeppelin IV..

Começaram a surgir alegações de que ”Stairway to Heaven” continha mensagens Satânicas se escutadas com a gravação de trás para frente. No high school, eu mesmo testei em um cassette multi-track recorder. Pasmem!Durante um trecho de cinco segundos pode se escutar “Satanás meu espírito mau”, e “o meu doce Satã”.

“Curioso, eu próprio me escutando cantando e tocando a parte da canção, e ouvir a gravação para trás, e descobrir que essas linhas de diálogo estão na minha gravação

“Meu veredicto é de que foi pura coincidência.”   (Robert Plant)

(mais…)

Uma nota tocada no violão ou na guitarra é composta por uma mistura de vários sons de freqüências diferentes. Cada um desses sons é um harmônico. E existe uma forma de se tocar e ouvir apenas um harmônico de cada vez. Na verdade são duas formas – através dos harmônicos naturais e dos harmônicos artificiais.

(mais…)


fonte: http://to-campos.planetaclix.pt/

Se se tocarem duas notas idênticas ao mesmo tempo é difícil distinguir o som que se ouve do som de apenas uma delas. Mas se a altura (frequência) de uma delas for ligeiramente diferente, ouve-se um batimento, ou seja, uma fluctuação distinta de volume que tem um som «ondulante». A ondulação será tanto mais rápida quanto maior for a discrepância entre as notas. Afina-se duas notas alterando uma delas, o que acelera ou retarda o batimento, até ele desaparecer.

As notas das cordas soltas da guitarra são: E4 B3 G3 D3 A2 E2 (o Dó médio no piano é o C4). O A4 de 440Hz é na 1ª corda no 5º trasto ou no harmónico da 5ª corda (4º harmónico de A2 – 110 HZ) no 5º trasto. Corresponde ao segundo espaço na clave de sol mas, como para a guitarra se usa a clave de sol oitavada, as notas são notadas uma oitava acima e este lá fica na 1ª linha extra superior.

(mais…)