Metal Licks serie II

A música de fundo destes exercícios é um rock Groove genérico  em “D” no modo Dorian e a velocidade é de 120 bpm. Você vai ouvir cada lick duas vezes; inicialmente à meia velocidade e, posteriormente a todo tempo. Estes licks podem ser difíceis de tocar a toda velocidade, mas todos eles trabalham em uma variedade de ritmos, bastando para isso adaptá-los.

<><><>

Vamos dar o pontapé inicial com um rápida olhada no lado teórico das coisas. O backingtrack para esta lição é em D menor – “A mais triste de todas as chaves” – e apresenta os três acordes de Dm, F e G. Isto sugere a escolha da escala mais apropriada que seria D no modo de Dorian, o segundo modo  na escala de C maior:

———————————————————————————————————————————————————–

F U L L     T R A C K S

                                    

===============================================================

  • Lick 1

Este é um lick de repetição, um típico fogo-rápido, no estilo de Randy Rhoads. Você pode querer praticar cada batida do lick separadamente, como nos beats 1 e 2 que constituem um menor, mas igualmente eficaz lick de repetição.

===============================================================

  • Lick  2

Este é reminiscente de “Elephant Gun” Steve Vai lick,  de David Lee Roth “Eat Em and Smile” álbum, você vai achar mais fácil se você usar o seu terceiro dedo para as notas do 13ª traste, mantendo o seu dedo mindinho de reserva para o G acima no 15ª traste. Você poderia ver isso como um lick de seis notas repetindo o motivo alternando com notas superiores; Tocá-lo em 16 notas (ou seja, encaixando quatro notas em cada batida, em vez de seis), cria uma torção rítmica interessante,tornando o som menos previsível mais para um  Kirk Hammett /Metallica vibe, tente acelerar o lick então com esta montagem de seis notas em cada batida …

===============================================================

  • Lick 3

Este é muito Schenker-style; Ele usa o mesmo conceito básico rítmico como o último lick, mas o motivo de seis notas soa mais como três grupos de dois, ao invés de dois grupos de três, para que ele se sinta um pouco diferente. Observe o efeito do Ab a partir da escala de blues de Dm …

===============================================================

  • Lick 4

Há um toque de Paul Gilbert/Racer X sobre este lick ! Certifique-se de seguir a posição de deslocamentos indicado na tab e tente pegar tudo com Alternate Picking (“down-up-down-up …).A cada novo bloco, a batida com um descendente dá a coisa toda uma definição um pouco mais rítmica quando você está tocando em alta velocidade. Essencialmente, o lick usa grupos de seis notas, desenhado a partir do modo Dorian D, e a alternância entre grupos de notas ascendentes e blocos descendentes  criam um “zig-zag countor” – Você verá uma  representação gráfica desta na notação.

===============================================================

  • Lick 5

O seguinte lick, que me faz lembrar de Nuno Bettencourt (Extreme). Eddie Van Halen, Dimebag Darrel (Pantera) e o virtuoso EUA Shawn Lane – Todos os quais utilizam licks de grande intervalo desta natureza. Se você está lutando com os requisitos de alongamento, certifique-se se o polegar é colocado na parte de trás do braço, em vez de envolvido em torno do topo, quanto mais para baixo o polegar vai, menos doloroso será para fazer o strech (esticar).

===============================================================

  • Lick 6

Outro lick com Randy Rhoads vibe, este começa com um Dm “Sweep-arpeggio” e se transforma em uma seqüência de escala na Beat 2. Tocar as três primeiras notas com um único descendente, e tentar assegurar que apenas um do arpejo fique audível a qualquer momento. Isto pode ser conseguido através do relaxamento de cada dedo da mão da escala um pouco como você pegar a próxima nota, lembre-se que esta é uma linha melódica, mais do que um shape de acordes realizado, e você deve estar no caminho certo.

===============================================================

  • Lick 7

Aqui está mais um exemplo ambicioso de “sweep-arpeggios” em ação, cada nota neste lick vem de uma tríade de Dm (ou seja, todos eles são D, F ou A), mas sua mão fretting cobre um lote de terreno em um curto espaço de tempo. Tal como acontece com LICK 6, é importante que você se esforce na separação entre as notas, e você também vai precisar trabalhar em turnos para a execução da posição decisiva e precisa. Idéias como esta são geralmente associadas com guitarristas de  metal “neo-clássicos” como Yngwe Malmsteen e Jason Becker.

===============================================================

  • Lick 8

Este vem a partir da escala pentatônica de D menor, mas o digitação abrange três notas por corda, permitindo-lhe atingir um efeito mais legato do que você poderia com o mais convencional de duas notas por corda dedilhados. Há uma mudança de posição em cada corda, mas não deve se sentir muito mal depois de ter memorizado a digitação. Acho que Richie Kotzen!

===============================================================

  • Lick 9

Nenhum compêndio de Metal Licks estaria completo sem um pouco de Tapping! Esta técnica permite-lhe atingir velocidades absurdas com o mínimo de esforço, mas há uma armadilha comum, depois de cada nota virada, você deve ter certeza de um “pull off” com o dedo tocando, num movimento súbito para garantir que a próxima nota soe corretamente. Se você remove o dedo tocando sem esse movimento e passar rapidamente, a seguinte nota vai faltar em volume e qualidade tonal – assim praticar este primeiro lentamente, e alma de obter todas as notas soando iguais. Ah, e você deve executar esse último bend com a mão da escala normail, enquanto o trabalho do seu dedo tocando é simplesmente para manter a corda em contato com o 20º traste.

===============================================================

  • Lick 10

Há uma dica de Marty Friedman/Megadeth neste próximo lick. É uma seqüência baseada em torno de um arpejo em Dm6:

Dm6

E a inclusão do B dá ao lick uma inequívoca sensação Dorian. Você pode preferir tocar este lick 50 por cento mais rápido do que está escrito, então você pode espremer seis notas em cada batida, mas eu o escrevi desta maneira para que você possa ver como a idéia rítmica de LICKS 2 e 3 pode funcionar em um contexto de arpejo. A nota pré-bend no final é muito Marty Friedman, e é destinado a dar ao lick um pouco de “Far Eastern” ao som.

Article soure: GT Winter 2002

Comentários
  1. mariano diz:

    muito bom Mano maravilhoso blog tenho tido ótimos resultados no meu aprendizado de guitarra um forte abraço

  2. ezequiel diz:

    brigadaço

  3. Guto Iannotti diz:

    fala MANO!!! achei de muito bom gosto os licks , alias ,parabens pelo blog , sucesso irmão !!!!

  4. Edelcio Junior diz:

    Isso sim que é uma aula de qualidade: temos áudio (com e sem o solo), PDF e até mesmo o arquivo no guitar pro…. Parabéns pelo trabalho !!!

  5. Joao diz:

    Era o que eu procurava e um pouco mais. Parabéns fera! E becktrack muito boa sua execução.

Escreva sua reposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s