Posts Tagged ‘tutoriais’

by Jorge Pescara

Abaixo dicas e macetes importantes para todos os músicos, o original desta matéria veja  no site oficial de Jorge Pescara, músico baixista com talento reconhecido internacionalmente que escreve frequentemente diversos artigos e notícias para vários tipos de revistas de música como: Tok Pra Quem Toca, On e Off, Rock Brigade, Música áudio & Tecnologia, Backstage, TKT News e Cover Guitarra. Escreveu muitos livros, a maioria deles atualmente, em impressão.


  • Jorge Pescara ( Wikipedia)
  • Site Oficial (article source)
  • Studior
  • Biografia
  • A história do Tapping


    D  I  C  A  S     P  A  R  A       E  S  T  U  D  O

    (Contrabaixo)

    1. Manter uma rotina diária de trabalho no instrumento que não exceda suas próprias capacidades físicas e/ou biológicas. Estudar todos os dias, mas com calma. Nunca deixar de viver.

    2. Os cabos de áudio são tão importantes quanto os instrumentos e o amplificador. De nada adianta aquele baixo American caríssimo, um amp Euro último tipo, um processador de efeitos Japan se todas estas preciosidades estiverem ligadas em cabos merreca-Paraguay. Procure obter cabos com plugs (P10) de qualidade para o instrumento e só use cabos paralelos (shielded) para as caixas acústicas.

    3. Uma sonoridade mais rica em graves poderá ser extraída posicionando a mão direita próxima à junção braço-corpo do instrumento. Nesta área a corda sofre menor tensão dos pontos de apoio (localizados nos extremos ponte/capotraste) excitando um menor número de harmônicos. Experimente tocar neste local.

    4. Quando estiver sem muita inspiração para estudar ou compor (ou mesmo sem paciência para olhar para o contrabaixo) e se estiver realmente cansado de música, desligue tudo. “Não” ouça seus Cds preferidos, ao contrário, leia um livro qualquer (ficção, filosofia, livros técnicos, religião, astronomia, ufologia, física, hobbye, etc…) valendo também passear (num parque, praia, lago, rio ou ver obras de arte). Verifique os benéficos resultados e conte-me via e-mail.

    5. Aí vai uma dica final de como adquirir segurança técnica nos estudos. Ligue o metrônomo em 60BPMs. Marque o tempo (desdobrado) com os pés batendo-os ao chão. Solfeje a dobra tempo/contratempo e toque semicolcheias. Uma outra possibilidade é transformar o solfejo e o exercício em tercina e Shuffle, respectivamente.

    6. Muitos músicos mal informados por vezes tomam atitudes impensadas tais como: “cortar o pino terra dos cabos de força com três pinos”. Evite tal coisa, pois os dispositivos eletrônicos importados vêm com cabos AC compostos por um vivo, um neutro, e um terra. Isto evita choques e imprevistos com descargas elétricas, portanto sempre é bom contar com isso. Na falta de uma tomada de três pinos (no local) para colocar o plug, use um adaptador que é muito mais barato do que você pensa (mantenha-o sempre no gig-bag do baixo). O plug de três pinos cabe em qualquer tomada de estúdio (se o estúdio não tiver tomadas deste tipo, desconfie!!). De qualquer modo, vale acreditar que algum dia nossas normas gerais de segurança, para as questões elétricas, irão se amoldar ao primeiro mundo e teremos tomadas de três pinos em todas as casas.

    7. Em hipótese alguma use o produto chamado WD-40 (que é na verdade um óleo composto para agir contra a ferrugem) em potenciômetros de qualquer dispositivo eletrônico. Controles de volume ou de tonalidade do seu baixo, da mesa de som, do amp ou controles dos processadores de efeito devem ser limpos com gás Freon (mas cuidado com a camada de ozônio) que é um líquido especial para estas finalidades, pois evapora rápido, enquanto o WD-40 deixa um resíduo oleoso que corrói o grafite dos potenciômetros (dando apenas a impressão de que estão limpos) inutilizando-os para sempre.

    8. Uma boa dica para as gigs do dia-a-dia é levar sempre uma pequena bolsa ou maleta contendo apetrechos que nos salvam dos dissabores da estrada. Este cinto de utilidades do Batman pode conter entre outras coisas: cabo(s) extra(s) para instrumento/caixas acústicas/efeitos, um (ou vários) adaptador(es) de tomadas três pinos/pino achatado/ pino redondo, uma extensão de rede elétrica, uma régua com várias tomadas, baterias 9v. novas (para efeitos e instrumentos ativos), chaves de regulagem de instrumento de várias medidas (fenda, philips, allem…), uma flanela limpa, cordas novas (set extra), fita adesiva (silver tape), papel e caneta piloto ponta grossa (para escrever cifras de última hora) e tudo o que sua imaginação e necessidade permitir… menos a pia da cozinha, é claro!!

    (mais…)

  • Anúncios

    Steven J. Morse para quem ainda não conhece, é um guitarrista de rock Norte-Americano, conhecido por sua carreira solo e por seus trabalhos no Dixie Dregs e o no Deep Purple. Sua carreira abrange o rock, country, funk, jazz e fusões destes gêneros. Morse também tocou com a banda Kansas e toca com o Deep Purple desde 1994. (wikipedia)

    http://www.stevemorse.com/

    (mais…)

    Ciro Visconti

    Dicas de Manutenção

    Posted: Julho 3, 2008 in Técnicas - Guitarra
    Etiquetas:, ,

    C  O  R  D  A  S     A  R  R  E  B  E  N  T  A  N  D  O

    Às vezes, pode acontecer de uma corda de seu instrumento estar arrebentando constantemente. Apesar de parecer que o problema seja nos trastes, que podem estar necessitando de lixamento, tome cuidado. Em muitos casos, o diagnóstico aponta para a pestana, nas fendas por onde passam as cordas. Antes de tomar qualquer atitude, verifique se a fenda da corda que está se arrebentando está com alguma ranhura. Ou então, verifique se está serrilhada de forma irregular. Esse tipo de atrito causa o rompimento da corda. Para tal manutenção, use uma lima fina ou uma folha de lixa com granulação suave. Persistindo o problema, procure um luthier.

    fonte – Guitar Player

    *   *   *   *   *   *   *   *   *   *

    S  U  P  E  R    D  I  C  A  S

    • Custo – benefício:

    Devemos considerar custo – benefício algo como o valor de determinado produto em relação ao uso dele, isto é, se o preço deste determinado produto vale no quanto ele será usado, neste caso, pelo músico. Para ser mais direto, um mal custo benefício seria comprar uma guitarra semi-acústica se o músico toca heavy-metal. Por esta razão, para músicos iniciantes ou até para amadores e profissionais, a escolha de um bom instrumento tem que ser relacionado ao tipo de som que o músico toca, seu nível técnico e também o tipo de trabalho.

    • Escolhendo uma guitarra

    A escolha da guitarra certa envolve muito o fato da versatilidade e manutenção. Por esta razão, mais do que o estilo musical, devemos nos preocupar mais com facilidades que esta guitarra possa nos providenciar. Nesta categoria, creio que nenhuma guitarra tenha melhor custo benefício do que um modelo Stratocaster, independente da marca. A Fender criou a Strato em 1954, e ela continua imutável até hoje. Símbolo de design bem sucedido e ótimo custo-benefício a Strato inovou sendo uma guitarra de fácil manutenção e personalização. As guitarras modelo Strato possibilitam as seguintes vantagens:

    • Preço:

    Hoje em dia nem só a Fender faz Strato, praticamente quase todas as marcas de guitarras do mundo inteiro têm em seu catálogo um modelo Strato ou semelhante em relação à instalação de captadores e ponte. Sendo uma guitarra construída com braço aparafusado, o sistema de produção se torna mais rápido, a manutenção mais fácil possibilitando a troca de braço ou de corpo (em caso de algum acidente) e troca de ferragens. Há no mercado hoje em dia um grande número de peças para Strato, desde captadores, tarrachas e pontes até braços e corpos, sendo este último diferentes aberturas de captadores.

    • Ferragens:

    As Strato são guitarras originalmente equipada com ponte sincronizada (alavanca), mais conhecida como ponte simples. O sistema Floyd Rose de microafinação foi criado a partir desta ponte e até hoje é fácil instalar uma ponte de microafinação em uma Strato, sendo até muitas vezes encontrada esta versão nas lojas. Hoje em dia um melhor aproveitamento na troca de ferragens em uma Strato se resolve com a troca da ponte por uma modelo Wilkinson ou a ponte de Fulcrum da Fender americana, tarracha com trava das marcas Sperzel, Schaller ou Gotoh e capotraste rollernut.

    • Captadores:

    Existe no mercado uma infinidade de modelos de captadores Humbuckers e escudos com abertura para estes captadores, que possibilita ao guitarrista envenenar sua Strato do jeito que quiser. E mesmo se o guitarrista quiser manter a configuração do escudo em três singles, há no mercado captadores humbuckers em formato de single. Outra vantagem são os Stacked Humbuckers, captadores com bobinas sobrepostas que visa eliminar os ruídos sem modificar o timbre original e magro de uma verdadeira Strato.

    • Estilo:

    A Strato é uma guitarra usada por guitarristas de vários estilos como rockabilly (Buddy Holly), blues e rock (Stevie Ray Vaughan, Jimi Hendrix), funk (Nile Rodgers), hard rock (Ritchie Blackore, Ritchie Sambora), heavy metal (Iron Maiden, Malmsteen), country ( Hellecasters), além de ser usados por guitarristas de Jazz, MPB e diversos outros virtuosos.  Várias outras guitarras chegam próximos à esta versatilidade como a Telecaster, mas a possibilidade de alavanca (que pode ser travada, como faz Eric Clapton) já faz uma diferença enorme. Sem levar a consideração que muitas guitarras como as Jackson, Ibanez , Music Man, Tagima, etc. têm vários modelos baseados diretamente na Strato. Pense nisto na próxima vez que você estiver em dúvida sobre qual guitarra comprar.

    Fonte: GuitarX

    *   *   *   *   *   *   *   *   *   *

    CUSTOMIZE SEU INSTRUMENTO

    Substituir componentes da guitarra é uma prática comum, desde um simples botão ou escudo a partes mais complexas e delicadas. A busca pelo melhor desempenho e o cuidado com a ferramenta de trabalho são essenciais ao guitarrista. A esse processo de manutenção dá-se o nome de customização. Algumas das alterações mais comuns são a utilização de capotrastes (ou nut) de latão, pontes que otimizam a sustentação das notas e a vibração das cordas, captadores com maior potência de saída e tarraxas com trava para proporcionar maior estabilidade na afinação, além de mudanças nas configurações elétricas. Entretanto, vale ressaltar que, mesmo para os mais experientes e conhecedores do assunto, é importante conversar com profissionais da luthieria antes de qualquer alteração em sua guitarra. O especialista irá ajudar a identificar o componente que mais se aproxime de sua expectativa, além de sugerir o mais recomendado para o bom funcionamento de sua guitarra. Peças e acessórios para customização podem ser encontrados em lojas especializadas e luthierias.

    *   *   *   *   *   *   *   *   *   *

    D  I  C  A  S     D  O  S     M  E  S  T  R  E  S

    • “Ouça muitos outros guitarristas. Ache inspiração em outros instrumentos também, isso ajuda muito. Tocar em JAMS também é uma escola maravilhosa para quem quer desenvolver um ótimo ouvido. Estude de maneira apaixonada, é a melhor forma de criar uma linguagem musical”

    John Petrucci


    • “Não queira tocar como ninguém, seja você mesmo.Eu não uso a palavra roubar, mas tente tomar emprestado um pouco de cada cara que ouvir tocar. Mas não tente soar exatamente igual como outro.”

    BB King


    • “Sempre procurei fazer o que gosto, por isso, sou guitarrista. Portanto, tenha prazer quando tocar”

    Frank Solari


    • “Toque com o ouvido e não apenas com as mãos. Por exemplo, se você for inventar ou tirar uma frase, deve assobiá-la ou cantá-la antes. Caso contrário não vai adiantar nada. Os dedos não pensam, isso é função da cabeça!!”

    Eduardo Ardanuy


    • “Grave tudo que você tocar ; inclusive estudos, e você vai perceber melhor no que deve melhorar”

    Steve Vai


    • “Copie nota por nota as músicas que você gosta. Quando eu tinha dez anos, tirei de ouvido Black Magic Woman, do Santana, inteirinha. No meu caso. isso me ajudou muito !!!”

    Nuno Mindelis



    Estudo Vs Diversão

    Posted: Julho 2, 2008 in Técnicas - Guitarra
    Etiquetas:, ,

     

    E  S  T  U  D  O  & D  I  V  E  R  S  Ã  O

    Matéria extraída de http://Whiplash.net/

    • Quando escutamos esses e muitos outros guitarristas que gostamos, nos é apresentado um resultado, que resultado? O do estudo diário/regular, que exercita a criatividade musical e nos permite melhorar tecnicamente, fazendo com que nós guitarristas possamos tocar tudo que quisermos, desde que a perseverança seja proporcional ao resultado a ser obtido.
    • Aí você me diz: “Mas eu toco todos os dias e não vejo melhora?” Novamente, será que você realmente está estudando? Bom, vamos lá! O que é estudar? De acordo com o dicionário Aurélio, o verbo estudar significa: aplicar a inteligência a, para aprender.
    • Baseado nesse princípio estudar música ou determinada técnica, requer atenção, concentração, paciência e regularidade! O que você acha que te deixaria em forma? Jogar futebol 5 horas seguidas no domingo ou três vezes por semana? Se você respondeu três vezes por semana, você acertou. Com a guitarra é a mesma coisa. Se você quer tocar alguma passagem, solo, ou base, que seja complexa, estude de forma lenta e gradativa. Caso seja um solo, divida-o em varias partes, ou estude-o por frases, até que as mesmas estejam soando da forma correta, pois a sonoridade é muito importante.
    • Tocar o instrumento várias horas por dia, sem disciplina e objetivo, não trará resultado algum, por isso organize seu estudo. Reserve um horário do seu dia para estudar e depois do conteúdo estudado, se divirta com o instrumento. Existem várias formas de deixar o estudo dinâmico e interessante, motivando-nos a estudar com dedicação. Abaixo vão algumas dicas de como organizar seu estudo.

     

    Como estudar?

    Para se concentrar, um lugar que seja ventilado, tranqüilo e silencioso é essencial. Organize o conteúdo que você quer estudar (como no exemplo da tabela abaixo). *

     

    • Dia da semana: Segunda

    Conteúdo Técnico: Palhetada (30 min.), Ligados (30 min.)

    Demais Itens de Estudo: Repertório (30 min.), Audição (30 min.)

    • Dia da semana: Terça

    Conteúdo Técnico: Vibratos (30 min.), Bends (30 min.)

    Demais Itens de Estudo: Interpretação (30 min.), Audição (30 min.)

    • Dia da semana: Quarta

    Conteúdo Técnico: Slides (30 min.), Tapping (30 min.)

    Demais Itens de Estudo: Leitura (30 min.), Audição (30 min.)

    • Dia da semana: Quinta

    Conteúdo Técnico: Sweep Picking (30 min.), Alavancadas (30 min.)

    Demais Itens de Estudo: Criação (30 min.), Audição (30 min.)

    • Dia da semana: Sexta

    Conteúdo Técnico: String Skiping (30 min.), Harm Artificiais (30 min.)

    Demais Itens de Estudo: Repertório (30 min.), Audição (30 min.)

     

    S  W  E  E  P    P  I  C  K  I  N  G

    Técnica que utiliza a palheta em uma única direção com a finalidade de produzir uma grande quantidade de notas rapidamente, ou facilitar a passagem de uma corda para outra.

    S  T  R  I  N  G    S  K  I  P  P  I  N  G

    É o salto de cordas, ou seja, ao invés de palhetar ou ligar as notas em cordas seguintes, pulamos a corda. Saltamos da corda si para a corda ré, por exemplo.

    H  A  R  M  Ô  N  I  C  O  S    A  R  T  I  F  I  C  I  A  I  S

    Temos basicamente 2 tipos. Um é feito através do choque entre o dedo e a palheta sobre a corda, e o outro é conseguido através do toque sobre o traste correspondente a nota oitavada da qual você está tocando.

    R  E  P  E  R  T  Ó  R  I  O

    Pegue qualquer peça que tenha vontade de tocar e estude-a. Pode ser música, riff, solo, etc.

    I  N  T  E  R  P  R  E  T  A  Ç  Ã  O

    Não importa o que você vai tocar e sim como vai ‘interpretar’, entendeu!

    C  R  I  A  Ç  Ã  O

    Crie um riff, solo, exercício com o conteúdo estudado.

     

    D  I  C  A  S    F  I  N  A  I  S

    Se concentre naquilo que estiver estudando e sempre use um metrônomo, pois assim você tem um parâmetro para medir seu desenvolvimento. Certifique-se de que a sua coluna não esteja torta, que suas mãos estejam nas posições corretas e relaxe, com tensão os resultados não serão alcançados.

     

    Tenha paciência!

    Aumente a dificuldade e depois passe para outro tópico da lista. Estude cada tópico de 15 a 30 minutos e depois mude, assim você fica menos entediado e cobre um conteúdo muito maior. E por último, estude com regularidade, assim você tocará muito melhor! Eu garanto!!

    Obs.: a tabela acima é um roteiro de estudo de 2 horas diárias, que permite ao estudante se concentrar melhor em cada tópico/técnica especifico/a, trazendo resultados muito mais rápidos! Você não precisa seguir este modelo! Crie o seu próprio roteiro de estudo e faça o seu tempo render da forma que achar melhor, o importante é estudar com atenção e dedicação!!

     

    Dúvidas? theomachado@ig.com.br …

    Fonte: http://Whiplash.net/