CAGED SYSTEM – 7ª dominante, menor 7ª e 7ª maior

Neste segmento vamos lançar um olhar mais atento sobre acordes básicos estendidos, enquanto utilizando os princípios do sistema CAGED … Na nossa terceira parcela desta lição vamos dar o próximo passo lógico com o sistema CAGED. No ultimo post, nós olhamos simples acordes maiores e menores, mas aqui vamos examinar os tipos mais comuns de acordes 7ª: 7ª maiores, 7ª dominante (geralmente apenas escrito como 7) e menor 7ª . Vamos começar com a fórmula para cada um dos acordes e como eles se relacionam entre si. Ao invés de olhar para cada tipo de acorde em todas as cinco posições CAGED, vamos olhar para todos os três tipos de acordes separadamente, para que você possa ver claramente como eles se relacionam entre si.

Leia o resto deste artigo »

Anúncios

CAGED SYSTEM – Basic shapes

Bem-vindo à nossa série sobre CAGED System. Dando continuidade a esse assunto, vamos começar olhando para o sistema CAGED e como aplicá-lo no dia a dia.. O sistema CAGED não foi “inventado”. É um fato. É como a guitarra funciona e vem diretamente da afinação do instrumento combinado com harmonia ocidental. Eu venho querendo acrescentar esta lição já há algum tempo, pois nós todos queremos ser capazes de tocar muitos e diferentes acordes, escalas e arpeggios em posições por todo o braço do instrumento.

Leia o resto deste artigo »

FRANK GAMBALE TECHNIQUE – ECONOMY PICKING

A quarta e última parte desta série sobre a Sweeping Technique aplica-se a fórmula três-notas-por-corda para digitação no campo modal. Isto é comumente conhecido como “Economy Picking” e foi desenvolvido a partir dos anos 70 pelo jazz-rock virtuoso Frank Gambale, que ganhou reconhecimento por sua incrível técnica no início dos anos 80, enquanto estudava na GIT, quando elaborou o famoso livro “Speed Picking” (1985). Antes Gambale, executando sweeps através de sequencias como eram feitos aqui e ali por guitarristas de jazz e rock tendiam a fazer licks específicos, enquanto Gambale apresentou um sistema totalmente desenvolvido e técnica completa para a execução de escalas e arpejos com a máxima eficiência.

Leia o resto deste artigo »

JOE PASS & PAT MARTINO LICKS

Na primeira parte, nós exploramos diferentes abordagens para a melodia de Blue Bossa, em um “16 compassos bossa-nova tune” em C menor em torno de progressões II-V-I menores e maiores. Também falamos sobre opções de solos para as mudanças de acordes e um solo construído como amostra utilizando linhas tanto II-V-I e II-V-I menores. Nesta seção vamos continuar nosso estudo sobre “Blue Bossa” com duas trancrições examinando como dois grandes nomes contrastantes da guitarra jazz têm abordado isso …

Leia o resto deste artigo »

JAZZ STANDARDS – BLUE BOSSA

O compositor de “Blue Bossa”’, Kenny Dorham, tocou trompete com alguns dos maiores nomes do jazz incluindo Charlie Parker, Dizzy Gillespie, Lionel Hampton, Art Blakey, Joe Henderson e Max Roach em uma carreira a partir de 1940 a 1960. Ele gravou vários álbuns como líder, o período mais aclamado sendo suas sessões Blue Note de ’61-’64. Bem como um solista realizado, Dorham foi também um ótimo compositor e esse standard foi o seu feito mais famoso. Ele morreu em 1972. Neste estudo, estaremos ampliando nossos horizontes na seção rítmica, melódica e no campo harmônico com a clássica ‘Blue Bossa” escrita por Dorham Kenny.

Leia o resto deste artigo »

Guthrie Govan Licks

Guthrie Govan foi o guitarrista eleito pelo Guitarist Magazine’s “Guitarrista do Ano”. Guthrie tocou na banda Asia entre 2001 e 2006. Guthrie Govan é conhecido pela sua virtuosíssima técnica e por seus anos como professor de guitarra e pelo seu bom humor. Ele costuma interagir com o público e fazer piadas durante suas apresentações. (wikipedia). Abaixo um exercício com video tab e áudio que faz parte do seu DVD “Blues Jam-Tracks” para acrescentar ao vocabulário. Divirta-se!

Leia o resto deste artigo »

3 Licks  – Larry Carlton Style

Muitos tocadores citam Larry Carlton como o guitarrista perfeito. Ele é um desses raros animais que tem a sorte, toque fantástico, maravilhoso tom, técnica suficiente e conhecimento harmônico para afundar um navio de guerra. Talvez mais conhecido por seu trabalho com Steely Dan – ele tocou o solo sensacional sobre the band’s Kid Charlemagne – e para a sua série de álbuns e solos marcantes de 1970 e 1980, com outros tocadores variados, tais como Robben Ford, Larry tem o prazer de jogar licks muito simples na posição de primeira pentatônica menor, ou na outra extremidade, para afastar harmonicamente desafiando corre à velocidade da luz.

  Leia o resto deste artigo »

NOVO COLABORADOR DO  BLOG

A cada dia que passa percebemos o maior número de acessos e de utilizadores interessados pelo nosso blog e pelos artigos que escrevemos. Para manter este blog exige muito trabalho e dedicação dos seus administradores e nem sempre é possível manter a frequência das postagens de novos artigos. É nesse sentido que convidamos o guitarrista e instrutor Ramon Domingos, que assinará uma coluna no blog, mantendo-o atualizado sobre as técnicas de guitarra, que é seu foco principal. Na primeira matéria sugerimos ao Ramon que falasse sobre CAGED ou Sistema 5, porque é um assunto que nos interessa muito, portanto, vamos fazer uma abordagem completa para que possamos compreender ainda melhor este sistema. aguardem novas e variadas matérias sobre este assunto.

Leia o resto deste artigo »

Metal Bootcamp series – Sweeping part 3

Com o mesmo movimento abrangente de mãos e palhetadas que nós olhamos ao longo das duas últimas colunas, enquanto todos os elementos descendentes são em (hammer-on) martelados usando a técnica de “tap” com a mão da escala (fretting hand tap), muitas das formas são também extendidas no intervalo com a adição de “tapping” que são executados com o segundo dedo, a palheta realizada como de costume. Esta combinação permitirá um som “legato” com base na técnica mais “convencional” que estudamos nas úlima matérias desta serie, e vai dar um efeito quase syntetiser com suas linhas de “arpeggio”. A vantagem é que a mão direita pode estender os arpejos sem a restrição da necessidade de voltar para pegar a próxima nota descendente na subida. Isto significa que podemos usar o “Sweep Picking” em toda a área do instrumento, com a mão direita executar o sweep, que por sua vez, dará um tom muito quente e suave.

Leia o resto deste artigo »

Metal Bootcamp series – Sweeping parte 2
Vinnie Moore, Paul Gilbert, Jason Becker e Marty Friedman, que dominaram a cena a partir de meados dos anos 80 em diante. Influenciados inicialmente por instrumentos como o violino e flauta, o arpeggio playing se tornou uma marca registrada deste estilo de tocar guitarra novo e excitante, fornecendo muitos desafios técnicos para os guitarristas de rock. Vamos definir uma rotina de prática para permitir o desenvolvimento da técnica de arpejo e sweeping, expandindo as formas de três cordas do último estudo para incluir as formas completas de cinco e seis cordas. Existem três formas que você vai ver nos diagramas do braço da guitarra: para maior, menor e diminuta, e cada um é uma inversão diferente e posição da mesma tríade básica. Essas formas deverão também serem visualizadas em todo o sistema CAGED, relacionando cada tríade para sua corda de hospedagem.

Execute estes exercícios com precisão militar para o sargento Martin Goulding por 0500 horas ou você vai ter que esfregar as latrinas com uma escova de dentes!

Leia o resto deste artigo »