Archive for the ‘tablaturas’ Category

Larry Carlton licks
Este é um exercício que irá  trazer um sabor jazzy para o seu solo – além de aprender mais do processo sobre acordes alterados e idéias para construção de licks para improviso. Tecnicamente, estes licks são realmente menos difíceis do que alguns do material que você geralmente encontra por aqui. Do ponto de vista teórico, no entanto, eles são um pouco mais complexos, e a maioria desse material é destinado a tocadores que estão  acostumados com estudos de solos em pentatônica e modal. Por outro lado, é só conferir os compassos 1-8!

(mais…)

2 5   M E T A L   L I C K S   Y O U   N E E D   T O   K N O W !

Abaixo 25 metal licks em diferentes técnicas e estilos para acrescentar à sua biblioteca de licks, matéria publicada em Guitar Techniques Winter Magazine (2004).  Acompanha áudio para ver como deve soar e Backing Track para praticar, comece devagar e pratique sempre com metrônomo. Os exercícios foram separados em grupos de cinco para facilitar.

O seguintes llicks combinam muitas das técnicas diferentes associadas com rock e metal guitar.  Os licks  foram agrupados por ordem : legato, Tapping e Sweep Picking.  Como na escala de blues depende da progressão I-IV-V, no Metal não tem qualquer fórmula set, então para efeitos do disposto na presente lição foi elaborado um riff em metal style genérico para lhe dar um ponto de referência para cada lick. Com grupos de 16 /32notas e tríades.

(mais…)

Estes exercícios podem ser chamados de ginástica, acrobacia ou aeróbica de dedos. Eles crescem em dificuldade e foram organizados para começar de forma mais simples possível.


Você se aquece para levar sangue aos seus músculos e pontas dos dedos. É também importante mover suas juntas com a maior suavidade possível e aumentar a sensibilidade da ponta de seus dedos. Apesar de a seqüência de exercícios parecer um pouco mais comprida no papel, não fique desencorajado. Depois de passar por isso uma vez, você terá memorizado todos os modelos.

Se o dia estiver frio ou úmido, inicie agitando suas mãos. Com a mão oposta, segure um dedo de cada vez e balance gentilmente cada um deles de modo que os outros fiquem caídos. Termine beliscando levemente as pontas dos dedos para fazer o sangue chegar até lá.

Agora você pode começar a “caminhar´´. Toque uma nota de cada vez, indo da sexta corda para a primeira e voltando uma casa de cada vez. No Ex.1, inicie com o primeiro dedo na primeira casa. Mantenha o dedilhado da mão direita o mais simples possível, de modo que você possa se concentrar na mão esquerda. É muito importante tocar precisamente cada nota com a ponte do dedo, não com a sua base. Busque exatidão, não velocidade.

Mantenha o polegar da mão esquerda posicionado atrás do segundo dedo e da terceira corda para distribuir a pressão igualmente. Isto também possibilita que sua mão atue como pivô à medida que seus dedos se movem de corda para corda. Dobrar a junta do polegar enfraquece muito a pegada. O Ex.1 é de longe o exercício mais importante da seqüência e é o que faço se tenho apenas alguns minutos para me aquecer antes de uma performance. Toque-o duas a quatro vezes lentamente. Mova-se com rapidez, precisão e uniformidade, com pequenos movimentos de dedo.

O Ex.2 é uma variação do Ex.1. Desta vez, alterne os dedos usando 1 e 2, na primeira casa, 2 e 3, na segunda, e 3 e 4, na terceira. Segure cada dedo até o próximo ataque. Quando feito corretamente, o exemplo deve parecer como andar sobre uma corda bamba. Quando você sentir que estes exercícios se tornaram fáceis demais, tente as variações rítmicas do Ex.3.

Os Exs.4 e 5 são variações que envolvem ligados – também conhecidos como hammer-ons e pull-ofs Quando você fizer o Ex.4, não levante demais os dedos. Não é a distância a partir da qual você ataca a corda que produz um som bom e sólido, e sim a velocidade. Pratique mudando o peso de um dedo para outro à medida que vai prosseguindo, mantendo os dedos mortos, exceto o que você estiver usando. Depois que você terminar com um dedo, mude o peso para outro, e assim por diante. Faça isto lentamente, com colocação precisa. Note que o dedilhado deve ser simples.

Como você foi? Habitue-se a fazer a si mesmo esta questão. Sempre reveja o que você tocou. Não permaneça no mesmo exercício por tempo demais.

No Ex.5 há pull-ofs, ou ligados descendentes. Utilize as mesmas combinações de seis dedos enquanto começa na nota superior. Para começar, deixe cada dedo pronto sobre a corda. Quando você realizar o pull-of, faça-o com rapidez, tocando levemente a corda adjacente. Levante o dedo em seguida;apenas deixe-o voltar ao lugar a cima da corda. Vá em frente!

Quando o Ex.4 e o Ex.5 parecerem fáceis, tente o empolgante Ex.6. Depois descanse e cheque seu pulso. Tome um gole de água e fique pronto para alguns exercícios de dedo fixo. Abdominais e flexões parecerão brincadeira de criança depois que você dominar estes exemplos.

Os exercícios de dedo fixo são o que seu próprio nome diz: mantenha um determinado dedo apertando a terceira corda enquanto move os outros. Comece deixando os dedos 2, 3 e 4 apertando cordas e mova o primeiro dedo como mostra o Ex.7. Fácil, certo? Ex.8 enfoca os outros dedos. Você pode usar seu pulso, se for necessário,nos  exercícios que envolvem o terceiro e quarto dedos, de outra maneira, movimente somente os dedos.É muito importante descansar entre exercícios. Não se esforce – apenas faça o que pode. Pare aqui ou siga para as variações do Ex.9, se você quiser encarar um desafio.

Sempre relaxe o máximo que puder entre os movimentos. Assim como um cantor precisa respirar entre frases, seus dedos e tendões necessitam de um rápido descanso entre movimentos.

Procure tocar os exercícios anteriores com o dedilhado de Ex.10. Certifique-se de preparar cada dedo da mão direita antes de tocar. Toques sem apoio diminuem o controle sobre o ataque e o timbre. Para maior segurança, comece com toques com apoio. Trabalhe com toques sem apoio depois.

No começo, estes exercícios podem levar 30 minutos ou mais. É importante adquirir resistência e precisão adequadas. Apressar-se durante o exercício diminui sua eficiência. Apesar de ser uma forma de aquecimento, ela também serve como treinamento técnico básico. Qualquer coisa pode desenvolver sua técnica se você se concentrar na precisão e produção de timbre. Depois de aprender a seqüência de exercícios, você descobrirá que não é necessário fazer tudo todos os dias. Apenas reveja partes toda vez que sentir necessidade. Frustração é comum, mas não fique desencorajado. Mantenha sua força de vontade intensa  e concentre-se na confiança que você está buscando.

Pag 2

Pag 3

Pag 4

GP 5

Fonte: GuitarPlayer