Archive for the ‘Artigos’ Category

NOVO COLABORADOR DO  BLOG

A cada dia que passa percebemos o maior número de acessos e de utilizadores interessados pelo nosso blog e pelos artigos que escrevemos. Para manter este blog exige muito trabalho e dedicação dos seus administradores e nem sempre é possível manter a frequência das postagens de novos artigos. É nesse sentido que convidamos o guitarrista e instrutor Ramon Domingos, que assinará uma coluna no blog, mantendo-o atualizado sobre as técnicas de guitarra, que é seu foco principal. Na primeira matéria sugerimos ao Ramon que falasse sobre CAGED ou Sistema 5, porque é um assunto que nos interessa muito, portanto, vamos fazer uma abordagem completa para que possamos compreender ainda melhor este sistema. aguardem novas e variadas matérias sobre este assunto.

(mais…)

Anúncios

EMULAÇÃO DE 25 MODELOS DOS INSTRUMENTOS MAIS BEM CONCEITUADOS

Guitarristas são músicos extremamente exigentes quando vem a hora da escolha dos equipamentos e instrumentos que usarão. Alguns elevam certas marcas e equipamentos para o nível de uma religião, e suas escolhas são sagradas. Independente das preferências deles, nenhum consegue negar o poder sedutor da Guitarra da Line 6, a Variax. Ela não é novidade, já que os primeiros modelos da Variax estão no mercado há sete anos. A  James Tyler Variax traz a opção de escolher a captação e modelo de guitarra e violão que o guitarrista necessita  na hora de tocar e alternar entre esses modelos com velocidade ainda preservando a autenticidade dos timbres. (pachbay.wordpress)

(mais…)

Alex Skolnick faz nesta vídeo-aula uma abordagem sobre concepções de jazz, que se adaptam para tocar metal e vice-versa.

<><><>

<><><>

<><><>


fonte: http://to-campos.planetaclix.pt/

Se se tocarem duas notas idênticas ao mesmo tempo é difícil distinguir o som que se ouve do som de apenas uma delas. Mas se a altura (frequência) de uma delas for ligeiramente diferente, ouve-se um batimento, ou seja, uma fluctuação distinta de volume que tem um som «ondulante». A ondulação será tanto mais rápida quanto maior for a discrepância entre as notas. Afina-se duas notas alterando uma delas, o que acelera ou retarda o batimento, até ele desaparecer.

As notas das cordas soltas da guitarra são: E4 B3 G3 D3 A2 E2 (o Dó médio no piano é o C4). O A4 de 440Hz é na 1ª corda no 5º trasto ou no harmónico da 5ª corda (4º harmónico de A2 – 110 HZ) no 5º trasto. Corresponde ao segundo espaço na clave de sol mas, como para a guitarra se usa a clave de sol oitavada, as notas são notadas uma oitava acima e este lá fica na 1ª linha extra superior.

(mais…)

by Jorge Pescara

Abaixo dicas e macetes importantes para todos os músicos, o original desta matéria veja  no site oficial de Jorge Pescara, músico baixista com talento reconhecido internacionalmente que escreve frequentemente diversos artigos e notícias para vários tipos de revistas de música como: Tok Pra Quem Toca, On e Off, Rock Brigade, Música áudio & Tecnologia, Backstage, TKT News e Cover Guitarra. Escreveu muitos livros, a maioria deles atualmente, em impressão.


  • Jorge Pescara ( Wikipedia)
  • Site Oficial (article source)
  • Studior
  • Biografia
  • A história do Tapping


    D  I  C  A  S     P  A  R  A       E  S  T  U  D  O

    (Contrabaixo)

    1. Manter uma rotina diária de trabalho no instrumento que não exceda suas próprias capacidades físicas e/ou biológicas. Estudar todos os dias, mas com calma. Nunca deixar de viver.

    2. Os cabos de áudio são tão importantes quanto os instrumentos e o amplificador. De nada adianta aquele baixo American caríssimo, um amp Euro último tipo, um processador de efeitos Japan se todas estas preciosidades estiverem ligadas em cabos merreca-Paraguay. Procure obter cabos com plugs (P10) de qualidade para o instrumento e só use cabos paralelos (shielded) para as caixas acústicas.

    3. Uma sonoridade mais rica em graves poderá ser extraída posicionando a mão direita próxima à junção braço-corpo do instrumento. Nesta área a corda sofre menor tensão dos pontos de apoio (localizados nos extremos ponte/capotraste) excitando um menor número de harmônicos. Experimente tocar neste local.

    4. Quando estiver sem muita inspiração para estudar ou compor (ou mesmo sem paciência para olhar para o contrabaixo) e se estiver realmente cansado de música, desligue tudo. “Não” ouça seus Cds preferidos, ao contrário, leia um livro qualquer (ficção, filosofia, livros técnicos, religião, astronomia, ufologia, física, hobbye, etc…) valendo também passear (num parque, praia, lago, rio ou ver obras de arte). Verifique os benéficos resultados e conte-me via e-mail.

    5. Aí vai uma dica final de como adquirir segurança técnica nos estudos. Ligue o metrônomo em 60BPMs. Marque o tempo (desdobrado) com os pés batendo-os ao chão. Solfeje a dobra tempo/contratempo e toque semicolcheias. Uma outra possibilidade é transformar o solfejo e o exercício em tercina e Shuffle, respectivamente.

    6. Muitos músicos mal informados por vezes tomam atitudes impensadas tais como: “cortar o pino terra dos cabos de força com três pinos”. Evite tal coisa, pois os dispositivos eletrônicos importados vêm com cabos AC compostos por um vivo, um neutro, e um terra. Isto evita choques e imprevistos com descargas elétricas, portanto sempre é bom contar com isso. Na falta de uma tomada de três pinos (no local) para colocar o plug, use um adaptador que é muito mais barato do que você pensa (mantenha-o sempre no gig-bag do baixo). O plug de três pinos cabe em qualquer tomada de estúdio (se o estúdio não tiver tomadas deste tipo, desconfie!!). De qualquer modo, vale acreditar que algum dia nossas normas gerais de segurança, para as questões elétricas, irão se amoldar ao primeiro mundo e teremos tomadas de três pinos em todas as casas.

    7. Em hipótese alguma use o produto chamado WD-40 (que é na verdade um óleo composto para agir contra a ferrugem) em potenciômetros de qualquer dispositivo eletrônico. Controles de volume ou de tonalidade do seu baixo, da mesa de som, do amp ou controles dos processadores de efeito devem ser limpos com gás Freon (mas cuidado com a camada de ozônio) que é um líquido especial para estas finalidades, pois evapora rápido, enquanto o WD-40 deixa um resíduo oleoso que corrói o grafite dos potenciômetros (dando apenas a impressão de que estão limpos) inutilizando-os para sempre.

    8. Uma boa dica para as gigs do dia-a-dia é levar sempre uma pequena bolsa ou maleta contendo apetrechos que nos salvam dos dissabores da estrada. Este cinto de utilidades do Batman pode conter entre outras coisas: cabo(s) extra(s) para instrumento/caixas acústicas/efeitos, um (ou vários) adaptador(es) de tomadas três pinos/pino achatado/ pino redondo, uma extensão de rede elétrica, uma régua com várias tomadas, baterias 9v. novas (para efeitos e instrumentos ativos), chaves de regulagem de instrumento de várias medidas (fenda, philips, allem…), uma flanela limpa, cordas novas (set extra), fita adesiva (silver tape), papel e caneta piloto ponta grossa (para escrever cifras de última hora) e tudo o que sua imaginação e necessidade permitir… menos a pia da cozinha, é claro!!

    (mais…)

  • …………… …….M i n i m o o g   V   v1.6    V S T   V S T i   R T A S   A U


    • A Minimoog V demo song inspired by Chick Corea, Jan Hammer, Rick Wakeman, Rush and Pink Floyd

    Seguindo a linha do Moog Modular V, a Arturia concentrou-se na emulação do famosíssimo Minimoog original. Tal como no Moog Modular, o Minimoog foi concebido com a parceria do próprio Robert Moog, o qual sublinhou que não deixaria que o produto fosse lançado caso a sonoridade não fosse rigidamente similar ao original. Ao que parece, a Arturia conseguiu-o.
    E muito embora fosse muito interessante enaltecer as qualidades desta brilhante peça de software, talvez o mais indicado seja efetuar uma visita ao site da Arturia e baixar algumas das demonstrações em formato mp3, percebendo assim as qualidades e potencialidades deste software.

    25.22 MB | RAR | Megaupload

    <><><>

    reupload

    Especificações

    – Sintetizador estéreo
    – Modos monofónicos e polifónicos (até 32 vozes por instrumento)
    – Emulação de saturação analógica
    – Sem alisamento digital de 0,1 Hz até 20 kHz
    – Processamento de 64 bit
    – Taxa de amostragem até 96 kHz
    – Mais de 500 presets incluídos, grande parte deles desenhados por músicos e sound designers
    – Tocável a partir de teclado MIDI
    – 3 osciladores (com 5 formas de onda cada)
    – 1 oscilador de baixa frequência (LFO)
    – Filtro de quarta ordem (24 dB/Oitava)
    – 1 gerador de ruído
    – 2 geradores de envelope dinâmico (ADSR)
    – 1 VCA
    – Matriz de modulação com 6 ligações distintas (12 fontes, 32 destinos)
    – 1 arpegiador
    – 1 delay estéreo
    – 1 chorus multimodal
    – Entrada de sons exteriores para processamento
    – Entrada de oscilador externo para modulação do filtro
    Este pacote inclui todas as versões (Macintosh e PC)
    Configurações mínimas:
    PC: Pentium II 500 MHz, 128 MB de RAM, Windows 9.x/2000/ME/XP
    MAC: G3 500 MHz, 128 MD de RAM, MacOS 9.2.2 or superior, MacOS X 10.2 ou superior

    Postagem Original em:  Audiojunk.net

    M i n i m o o g     D  E  M  O

    <><><>
    .

    ………G u i t a r L i n k   A u d i o  L i n k   S e r i e s

    Abaixo seguem duas  opções para quem quer conectar  a guitarra ou baixo diretamente no computador: a primeira é o Alesis GuitarLink Audio Link Series que é um cabo adaptador com um conector 1/4” ou P10 em uma extremidade e um USB 4-macho na outra ponta, e não precisa ser conectado na placa de som, porque o cabo já possui uma placa de som embutida. O cabo grava em 16 bits, e 44.1 kHz, garantindo uma reprodução cristalina para quem deseja gravar o instrumento no PC, transformando sinal analógico em digital.

    Roda em Wndows 98, XP, Vista, Windows 7, e MAC OSX. USB port; Sistema Plug And Play, e tem compatibilidade com softwares de edição de áudio como SounForge, Audacity além de uma grande quantidade de softwares musicais e plugins disponíveis.  Conversor analógico para digital embutido; 5 ms de comprimento, permitindo o seu uso em apresentações ao vivo.

    ……Cabo Behringer

    I N T E R F A C E   U S B   G U I T A R   L I N K   U C G   1 0 2   B E H R I N G E R

    A segunda opção é uma placa de som externa USB, com entrada dedicada para guitarra e saída para fone de ouvido. A Interface USB UCG102 é uma fantástica e prática ferramenta, que permite ligar a guitarra ao computador em um piscar de olhos, conectando você nos dois mundos.
    A UCG102 permite conectar diretamente ao computador para gravar, improvisar uma reprodução, ou reproduzir diretamente por intermédio do amplificador de modelação e dos pedais de efeitos, sem a necessidade de qualquer outro equipamento que não seja a guitarra e um computador.
    É um típico cabo USB, que permite que gravar com os sofisticados softwares já incluídos: Guitar Behringer Edition, Gravador/Seqüenciador multipistas Kristal Áudio Engine. Ele também apresenta uma saída para fone de ouvido.
    GUITAR LINK UCG120 é alimentado através de USB, portanto, nenhuma fonte de alimentação adicional é necessária
    Drivers ASIO, compatível com PC e MAC

    • Interface de guitarra USB com duas entradas/saídas digitais
    • Guitar Combos BEHRINGER Edition da Native Instruments (recria 3 amplificadores clássicos)
    • Gravador/sequenciador multipistas Kristal Audio Engine
    • Editor audio Audacity;
    • Ligação USB de 5V 100mA máximo
    • Latência ultra-baixa
    • Dimensões (A x L x P): 2.46 x 9.56 x 5.08cm

    ……………………………

    O valor é de $165,00 reais mas com uma boa pesquisa você poderá encontrá-la por até $89,00 reais ( pesquisado no Mercado livre)

    Fábrica das lendárias “ Fender”

    <><><>
    ===============================================================

    Que tal um Pisante Fender Bass?

    Aqui estão algumas fotos do Nike Dunk Mid SB – Fender Bass , que são ainda outro exemplo de como a música influencia muitas coisas, até mesmo a Nike SB. Eles são a mais nova criação do catálogo SB de Nike, e são projetados para imitar um baixo Fender, veja  na foto abaixo. Confira os diferentes tons de marrom, prata e preto, que compõem um visual prá lá de agradável ..

    Data de lançamento : ( incerta)

    ===============================================================

    Ou que tal um Volkswagem Fender Beetle…

    Essa dica vem do Fabio Silva Guitar  da banda Kontraregras, grande camarada, sangue bom e parceiro de msn e segue abaixo o vídeo com a nova música de trabalho da banda que tá muito legal e vale uma conferida. Parabéns pra galera!

    clique para ver o as imagens

    Volkswagen faz parceria com Fender em edição 2012 do “New Beetle”

    A Volkswagen e a fabricante de guitarras Fender se uniram para a produção da nova edição do carro “New Beetle”. O automóvel, fruto da parceria, está em exibição no “Salão do Automóvel de Frankfurt”, na Alemanha.
    O “New Beetle” (reedição do antigo Fusca) possui um conceito que homenageia os guitarristas. O visual é inspirado nas guitarras produzidas pela Fender, além de ser o primeiro carro a receber um sistema de áudio da fabricante. O novo recurso de som possui uma interface que permite a conexão de uma guitarra e botões metalizados que simulam amplificadores.
    O exterior possui na traseira duas saídas de escapamento e o logotipo da Fender, que está grafado na parte superior do porta-malas. A cabine é forrada com acabamento em madeira e possui um amplificador embutido. A data da produção dessa edição do “New Beetle” para venda ainda não foi confirmada.  article: cifraclubnews.com.br

    ===============================================================

    <><><>

    http://www.myspace.com/kontraregras/

    <><><>

    Pérolas da WEB

    G U I T A R R A   Q U E   S E   A F I N A   S O Z I N H A   É   M O S T R A D A   N O   J A P Ã O

    Repórteres examinam a guitarra-robô, que começa a ser vendida no dia 7 de dezembro

    A Gibson, empresa americana com sede em Nashville, Tennessee, mostrou, em seu escritório em Tóquio, a guitarra-robô desenvolvida pela companhia. A nova guitarra elétrica, apresentada a repórteres nesta segunda-feira, tem tecnologia robótica que permite ao instrumento fazer sua própria afinação em segundos

    Guitarra que se afina em diversos tons e afinações

    Um processador recebe os sinais individuais de cada corda e faz os acertos necessários

    Sistema Powertune foi criado pela empresa alemã tronical

    Um botão específico para o afinador serve para acertar qual tom e tipo de afinação utilizar

    Tarrachas se movem sozinhas até alcançar o tom correto

     

    A guitarra utiliza captadores piezoelétricos, diferentes dos magnéticos convencionais. Esses captadores isolam o som de cada corda individualmente. Um processador recebe o sinal das cordas tocadas e envia um sinal para as tarrachas, que se ajustam automaticamente. A tecnologia foi desenvolvida em parceria com a empresa alemã Tronical.
    A guitarra começará a ser vendida no dia 7 de dezembro, por um preço sugerido de US$ 2,49 mil nos Estados Unidos e pelo equivalente a US$ 2,78 mil no Japão.

    Demonstração

    *  *  *  *  *  *  *  *

     

    Música….receita para a alma

    Posted: Julho 13, 2008 in Artigos
    Etiquetas:

    pérolas da WEB

    Gustavo Prudente27/10/2004

    Você já sentiu uma sensação tão forte e gostosa de felicidade que nem conseguiria dizer como ela é? Já aconteceu de num momento para outro você ficar em paz, como se tudo estivesse certo? De repente, nada parece incomodar: dever de casa, briga com os irmãos, aula na escola… tudo está bem, porque você está em harmonia com a vida.

    Às vezes isso acontece quando escutamos uma música muito bonita, e não é à toa. Para alguns estudiosos, o som é uma porta de entrada para a alma. Isto não significa que música serve para fazer fantasma aparecer. Pelo contrário: ela é uma forma de entrar em contato com o que existe de mais verdadeiro e puro em você.

    O motivo é que o som que produzimos pode nos fazer entrar no ritmo do universo. Quando estamos fora do ritmo, temos a impressão de estar num país onde todo mundo fala uma língua que a gente não entende. Ficamos tão perdidos que tudo parece chato e sem sentido. Mas e se pararmos para escutar o que estão dizendo à nossa volta? Com o tempo, aprendemos o novo idioma e começamos a nos comunicar. Num estalo, tudo parece se encaixar de novo.

    Agora, a pergunta inevitável: Como se faz para descobrir o ritmo do universo? Uma forma é ficar em silêncio e ouvir o coração. Seja lá o que você escutar, pode transformar isso em algum som, tocando violão, cantando, batendo o pé no chão, qualquer coisa. O outro é apreciar as batidas, os instrumentos, a melodia e cada detalhe de uma música que lhe emociona muito. Seja qual for sua escolha, só tem um jeito de saber se você está no caminho certo: Perceber que surgiu em seu corpo aquela sensação gostosa e tranqüila que faz a vida valer a pena.