• Metal Bootcamp Series – Shred Legato level 2

No primeiro bloco, nós olhamos a técnica básica  ‘half-roll’ (meia rolagem) legato no estilo de pioneiros do rock como EVH e Randy Rhoads. É essencial ter um controle sobre os conceitos básicos, a fim de mover-se no território deste segundo nível, que é baseado na técnica ‘full roll’ legato (rolagem completa). Este é um estilo que Joe Satriani descreve em ‘Liquid mercury”, como ele tem uma qualidade de rolamento caracterizada pelo uso de grupos de 5 e 7 notas, o que não é natural, se você considerar que três notas por corda é um estranho conceito de número para começar.

<><><>

<><><>

O estilo lhe permitirá mudar de direção sem problemas em qualquer ponto do pattern da escala, sem os intervalos comuns ignorados no ‘half-roll style’ e é um veículo perfeito para se mover com fluidez por todo o braço da guitarra. Estes exercícios são uma continuação progressivamente a partir de em termos de dificuldade e também em significado histórico, já que com este estilo se desenvolvia com os gostos de Vai e Satriani.

S   E   T   U   P

É essencial que você esteja ciente da importância da técnica de um bom ‘muting’ (controle de ruídos e emudecimento de cordas não utilizadas), com ambas as mãos, para manter o seu som soando limpo. Na mão da escala, a ponta do primeiro dedo  silencia a corda acima da que está sendo tocada e repousa plana, muito levemente, sobre as outras cordas. Na quinta corda, por exemplo, você deve ser capaz de tocar qualquer nota e mesmo quando dedilhar as cordas, só ouvimos que soam uma nota particular alto e claro. Se você toca uma nota na quarta corda, somente esta deverá aparecer, também então, silenciando as cordas pela mão direita. Então, aplique o ‘muting’ cuidando entre as duas mãos, a técnica deve ser ‘absolutamente limpa’.

Planilha de estudos

Mais uma vez, conforme o conselho na matéria anterior, você deve estabelecer os exercícios na velocidade do “aprender” como indicado na demonstração de áudio. Mesmo os tocadores avançados necessitam de remeter para verificar suas fundações. Os exemplos são tão lentos quanto desafiadores e requerem concentração, tanto como as versões mais rápidas, e muito pode ser aprendido sobre o sincronismo de tons, e precisão, a este nível. Pratique cada exercício para 3 a 5 minutos em constante repetição (exceto quando a tensão aumenta, então sacudir imediatamente por 10 segundos de ntervalo) durante cinco dias por semana. Manter em uma velocidade por uma semana e nesta semana você vai começar a sentir um novo nível de precisão.

Depois de uma semana, você vai sentir que a sua resistência aumenta e você é capaz de sustentar o exercício com pouca fadiga e você também vai experimentar a sensação de precisão que o ‘timing’ começa a enraizar. Você vai sentir um novo nível de controle, então é hora de aumentar o metrônomo, tanto quanto possível, mantendo esse sentimento. Nas velocidades mais elevadas pode ser necessário para a prática de meses na mesma velocidade para alcançar um avanço, você vai precisar ser ‘paciente’ e apenas desfrutar a sensação de que o exercício está melhorando, mesmo que a velocidade permaneça estática. Nunca associar o desenvolvimento de um exercício com a velocidade como uma evidência. A velocidade é um subproduto imaculado no sincronismo, precisão e familiarização com a repetição diária.

L E V E L  2

S H R E D    L E G A T O   ( Full Half )

===============================================================

                

===============================================================

  • Exemplos [1, 2 & 3]

Esses fragmentos são organizados em três sets. Onde estão dois tons inteiros como no Ex. 1a, use os dedos [primeiro, segundo e quarto] da mão da escala, que também é o mesmo para o Ex.1b com shapes de semitom e tom. Para o Ex.1c, o shape de tom e semitom é tocado com os dedos [primeiro, terceiro e quarto] em geral, embora também seja comum, especialmente quando terminar uma frase com um bend  que este tipo de formato seja executado usando o [primeiro, segundo e terceiro]. Os dois primeiros exemplos são exercícios para o desenvolvimento de grupos de cinco. Bater o pé e buscar por uma velocidade, com as notas sendo escolhidas sob o mesmo nível de dinâmica quanto a [hammer-ons] e [pull-offs]. O primeiro exemplo tem três notas na parte superior de cordas e sete na parte inferior. Isto equivale a dez, por isso apesar da mudança depois da cadeia de três notas, nós ainda sentimos como dois grupos de cinco. Portanto, concentrar-se em bater o pé ao passear o dedo sobre a quarta altura [hammer-on] e bater mais forte, a fim de acentuá-lo. Isso ajudará a travar o “fives” e sentir. Imagine um pêndulo e você está acentuando as notas menores e maiores e de reforço tocando com o pé. Exemplo 2 é estritamente um cinco-notas-por-corda  full roll  (rolagem completa). Mantê-lo com o polegar no meio da parte de trás do braço com a mão aberta, e perto do braço, a fim de silenciar.

                        

==============================//===============================

  • Exemplo [4]

Aqui temos o exemplo de um lick de repetição [fogo-rápido], um lick estático que usa os dedos [primeiro, segundo e terceiros],da fretting hand. Além disso, o mais importante do lick pode ser parecer como um conceito para o acabamento que é executado na saida com um bend, que por sua vez, podem ser alguns imediatos de seu próprio vocabulário baseados no Am-blues shape 1 pentatônica. É um bom método para aprender um novo lick e continuar a improvisar depois. Isso ajuda a integrar idéias novas existentes juntas. O último compasso é levado às pressas para ajudar a colocar o bend  na batida. Eu transcrevi como um grupo de sete, embora a intenção é apressar a frase e alvo do bend de saída. É comum, quando se desce para uma nova seqüência que, em vez de escolher a primeira nota, na mão da escala [hammer-ons] são usadas para um tom mais suave (nenhum ataque de palheta) e velocidade potencial mais rápido.

==============================//===============================

  • Exemplo [5]

Aqui temos um desenvolvimento baseado no segmento do exemplo anterior, onde estamos nos movendo horizontalmente com fragmentos através dos shapes de escala. Note que apesar de estarmos terminando com uma posição diferente, ainda podemos usar nossa nova estratégia de saída para terminar a frase.

==============================//===============================

  • Exemplo [6]

Agora podemos tentar aplicar esses fragmentos sobre patterns de escala inteira. Começando na posição 7 de A Dorian  (o mesmo que a posição 1 Sol Maior – ver diagrama), podemos aplicar os nossos grupos de cinco fragmentos em primeiro lugar sobre a posição do pattern na escala e em segundo lugar ao longo dos três blocos de oitava. (Primeiras seis notas repetidas em oitavas). Este último nos oferece mais sobre como a distância de  execução percorre as três posições. Desenvolva isso ao mesmo tempo e faça o mesmo por todas as sete posições da escala.

==============================//===============================

  • Exemplo [7]

Aqui nós temos a mesma rotina como nos exemplos anteriores, desta vez aplicada a grupos de sete. Em primeiro lugar através do pattern de escala, e em seguida, três blocos de oitavas. Mais uma vez, fazer o mesmo para todas as sete posições.

==============================//===============================

  • Exemplo [8]

Este próximo exemplo move-se através de um pattern de duas cordas entrelaçados simetricamente que repete na oitava seguinte antes de terminar com um vibrato-rock de um tom de largura (tone-wide) puxado para baixo. Tente experimentar e localizar nas diferentes áreas do braço da guitarra que são boas para interligar patterns simétricos.

==============================//===============================

  • Exemplo [9]

Este exemplo mostra a importância de ser capaz de tocar legato, é executado através de frases em nota de semicolcheias. Pode ser usado para grupos de número ímpar até agora, mas há grande habilidade e desafio de “tempo interno” real para permanecer no timing com semicolcheias. A palheta e o acento são independentes no todo aqui e assim que começar usado para acentuar [hammer-ons] ou [pull-offs] a uma velocidade um pouco maior para se sentir a batida. Na parte descendente, use a fretting-hand [hammer-ons] para reproduzir a primeira nota na corda. Isso dá um som mais liso e, em última análise permite que você execute esse tipo de idéia a uma velocidade maior do que o método convencional de uma corda por escolha.

==============================//===============================

  • Exemplo [10]

Aqui temos uma execução que usa uma combinação das técnicas (half-roll) e (full-roll), todas  digitadas como semicolcheias. Mais uma vez, tentar sentir o acento em cada batida, e bater o pé para reforçar a sensação. É um desafio no início para conseguir a lisura absoluta e tempo para fazer uma de três-notas-por-corda no som da escala com rigorosas notas em semicolcheias.

==============================//===============================

  • Exemplo [11]

Este último exemplo é uma seqüência 3-up, 2-down. Mais uma vez, se sentem notas estritamente em semicolcheias, mas como a frase real é thirteen notas longas, estamos passando por cima do compasso que pode ser desconcertante no início. Se isso se sente estranho, bater o pé a cada duas notas até você se acostumar com isso. A toda a velocidade, é um desafio para ouvir e sentir o ritmo com precisão. Este é desenvolvido através de dominar cada passo do metrônomo e trabalhando às vezes por muitos meses em (velocidades difíceis) difficult speeds.

article source: GT Magazine 02 – 2009

=============================================================

Este tutorial fiz para meu próprio uso e vou disponibilizar aqui para download

Única cópia que eu tinha deste eBook estava hospedado no  Megaupload, se alguém baixou ele favor me envie um link para que eu possa re hospedar.

Necessário Adobe Acrobat Reader


Comentários
  1. Gustavo diz:

    Muito bom , só uma pergunta, na sequencia de legatos tipo:3h5h7 que volta pro 5 e 3 , eu teria que fazer um pull off ou é pra palhetar novamente?

  2. Adm diz:

    Olá gustavo! A resposta é ‘pull-offs’ desde que os movimentos 5-3 forem executados na mesma corda, pois o foco destes exercícios é justamente intensificar o legato. ‘full roll’ (rolagem completa) na mão da escala. Aguarde os próximos niveis (3 &4) que serão mais intensos em rolagens, Um grande abraço.qualquer dúvida deixe um comentário.

  3. Gustavo diz:

    vish era oq eu temia😄, vlw aew, ainda n peguei a manha do pull do dedo 4 pro 3 pra ficar maneiro , mas estou praticando, até

  4. Renato diz:

    Cara valeu mesmo, estava procurando algo pra me ajudar nas tecnicas; obrigado por compartilhar estas informações, pois se não fosse por pessoas como você a tecnica da guitarra ainda seria um mistério.
    Deus te abençoe
    Att. Renato

  5. Miguel Garcia diz:

    Olá mano!! Suas contribuições são enriquecedoras, sempre! Agradeço muito, viu! To ansioso para ver a continuação do MATERIAL SOBRE LEGATOS… Quando estará no ar? Abraços a vc e mais uma vez OBRIGADO pela fertilizações de idéias aqui! Seu Blog é tudo de bom! Abraços

    Miguel Garcia

  6. Adm diz:

    Obrigado a todos pelos comentários. A continuação do “Shred Legato” quero ver se consigo aprontar até o final desta semana (parte 3), e quanto a (parte 4) vou dar sequência na próxima semana. Abraço.

Escreva sua reposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s